Xiru Lautério "O PERSONAGEM MAIS BAGUAL DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS BRASILEIRAS"

28 de dez de 2009

Livro A Culpa é do Padre

Economia & Turismo






Lemos e Schirmer prestigiam o lançamento do livro Economia & Turismo.

Livro Economia & Turismo


16 de dez de 2009

Pérolas na Rede

A ESTRANHA BELEZA DA LÍNGUA PORTUGUESA...

Um político que estava em plena campanha chegou a uma pequena cidade,
subiu para o palanque e começou o discurso:
- Compatriotas, companheiros, amigos! Encontramo-nos aqui, convocados, reunidos ou juntos para debater, tratar ou discutir um tópico,tema ou assunto, o qual me parece transcendente, importante ou de vida ou morte.
O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ou junta é a minha postulação, aspiração ou candidatura a Presidente da Câmara deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:

- Ouça lá, porque é que o senhor utiliza sempre três palavras, para dizer a mesma coisa?

O candidato respondeu:

- Pois veja, meu senhor: a primeira palavra é para pessoas com nível cultural muito alto, como intelectuais em geral; a segunda é para pessoas com um nível cultural médio,como o senhor e a maioria dos que estão aqui.
A terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado, ali deitado na esquina.

De imediato, o bêbado levanta-se a cambalear e 'atira':

- Senhor postulante, aspirante ou candidato:
(hic) o facto, circunstância ou razão pela qual me encontro num estado etílico, alcoolizado ou mamado (hic), não implica, significa, ou quer dizer que o meu nível (hic) cultural seja ínfimo, baixo ou mesmo rasteiro (hic).
E com toda a reverência, estima ou respeito que o senhor me merece (hic) pode ir agrupando,reunindo ou juntando (hic) os seus haveres, coisas ou bagulhos (hic) e encaminhar-se,dirigir-se ou ir direitinho (hic) à leviana da sua progenitora, à mundana da sua mãe biológica ou à puta que o pariu!


Não sei quem é o autor, recebi por email...

10 de dez de 2009

O RISO É LIVRO
























O RISO É LIVRO EM ITINERÂNCIA NACIONAL


Edital da CEF contempla o projeto em
mostras no Rio de Janeiro e Brasília

O resultado foi revelado ontem, no site da Caixa Cultural: o projeto O Riso é Livro, inscrito pela Liga Produções, com a curadoria do Fraga e designde Fabio Zimbres, foi um dos selecionados para patrocínio. Isso quer dizer que a mostra coletiva de 30 painéis com cartuns sobre livro – 15 pintados em Porto Alegre, na Feira do Livro de 2008 e 15 pintados em Santa Maria, no 6º Cartucho em 2009 – a partir de março de 2010 vai ter itinerância nacional. Serão duas exposições iniciais, que ocuparão espaços no primeiro e no segundo semestre, a saber: Caixa Cultural do Rio de Janeiro, de 2/mar a 9/mai; e Caixa Cultural de Brasília, de 28/out a 28/nov. Grafarianos participantes, da capital e do interior: Alisson, Bier, Byrata, Cado, Chiquinha, Edgar Vasques, Elias, Eugênio Neves, Fabio Zimbres, Fraga, Hals, Jô, Juska, Kayser, Lancast, Louzada, Luis Fernando Veríssimo, Máucio, Maumau, Moa, Rafael Corrêa, Rafael Sica, Rodrigo Rosa, Ronaldo, Ruben, Santiago, Simch, Uberti, Vilanova e Wagner Passos. Enquanto a cobertura de O Riso é Livro no 6º Cartucho não vai ao ar no Tinta China, confira no blog as etapas anteriores: aqui, aqui também e mais aqui. Ah, a barulheira ao fundo se explica: é o foguetório e o tim-tim das taças de champanhe. Engraçadinhos também sabem comemorar.

Texto extraído do blog Tinta China.

3 de dez de 2009

O 6º CARTUCHO FOI UM SUCESSO!

Nas fotos clicadas pela Crespinha, o registro de um evento maravilhoso, que a cada ano se fortalece e se torna melhor.















27 de nov de 2009

Lembrando outros Cartuchos

















SANTA CEIA IRREVERENTE:
Na foto, alguns cartunistas que estiveram presentes no IV CARTUCHO, durante almoço na cantina Velho Amancio. A foto não foi programada, mas o ambiente e a ocasião sugeriu esta imagem que foi imediatamente captada pela visão irreverente dos cartunistas.

26 de nov de 2009

PROGRAMAÇÃO DO 6º CARTUCHO

HOMENAGEADO: Luis Fernando Veríssimo.

27/10 - sexta-feira – Auditório da CESMA – entrada franca
21 horas – abertura
- Sorteio do tema do 6º Cartucho
- Cartucho-animado (mostra de animações de humor)
- Exposição do homenageado

- Jantar dos cartunistas no Restaurante Via Gastronômica (Sest/Senat)*: Por adesão.

28/10, sábado – Calçadão

10 horas – Chimarrão com Nanquim
- O Riso é Livro – 15 cartunistas convidados pintam o tema em painéis.
- Chimarrão e desenho ao vivo - painéis e cavaletes - de cartuns e caricaturas.
- 1º Cartuchinho – cavaletes especiais para crianças desenharem.

13h – Churrasco no Maucio’s Bar - fechado para os convidados

21 horas – Jantar dos Cartunistas
Ristorante La Sorella – Silveira Martins. Por adesão.
23h – último prazo para entrega do cartum sobre o tema do 6º Cartucho.

29/10 – domingo
- 12 horas – almoço no restaurante Vera Cruz. Por adesão.
- 15 horas – abertura da exposição temática do 6º Cartucho com café de chaleira - no Ateliê da Estação/ Gare

20 de nov de 2009

Saiu no Diário











Árvore tradicionalista

O cartunista Byrata mostra que não é bom apenas no traço. Ele também se aventura pela jardinagem artística e transformou esta árvore em uma cuia de chimarrão, com bomba e tudo. A foto, feita na Rua 13 Maio, perto do Colégio Manoel Ribas, é do seu filho, Gabriel Lopes. A criação de Byrata vem chamando a atenção dos vizinhos, que também enviaram fotos ao Diário, como o leitor André Araujo Vitali.

Diário de Santa Maria, edição de 20/11/09, pagina 2.

Vem aí o 6º CARTUCHO!

14 de nov de 2009

MANDALA








Surpresa agradável:
Fiquei agradávelmente surpreso quando descobri esta linda mandala feita por minha amada Crespinha...

Criaturas de Pedra















Bico de pena
Caneta Staedtler, pigment liner 0.1
Garopaba, próximo a prainha da preguiça

13 de nov de 2009

Paradas

SOU POETA

Sou poeta
ando devagar
vivo divagando
mas de vez em quando
a inspiração me liberta da inércia do repouso
dando à palavra
movimento

Autor: José Vanderlei Prestes de Oliveira
do livro: da SOLIDÃO e OUTROS CONCEITOS
Editora Movimento


Após dias sem postar, volto e destaco o trabalho de José Vanderlei Prestes de Oliveira, poeta e professor de Matemática, que estudou Filosofia e é doutorando em Engenharia.
Essa poesia traduz o que se passa com todos os artistas, em certos momentos de suas vidas, são crises que causam muitas angústias e frustrações.
Isso acontece principalmente quando não entendemos ou não aceitamos essa condição momentânea, que faz parte da vida de todos os seres humanos e mais fortemente identificada na vida dos artistas.
São momentos em que experimentamos certo vazio, espécie de vácuo produtivo, instante ingrato, quando estamos diante da necessidade de desencadearmos um processo criativo e as idéias desaparecem, tornamo-nos como cegos, surdos e totalmente insencíveis. Um "branco" como se costuma chamar.
E aí? Se dependemos disso para sobreviver, como fazer? Com o tempo, artistas ou profissionais da área de criação, aprendem a superar esses momentos na "marra".
Aos irmãozinhos que iniciam sua caminhada na carreira criativa, tenho a dizer que não se angustiem tanto e não desistam, se a "coisa" não anda, melhor é sair e dar uma caminhada ou olhar os pássaros no jardim, as nuvens no céu ou a variação de tons de verdes nos morros.
Nessa hora, melhor é chutar pra lá o tempo de "chronos" e adotar o tempo de "Kairos".
É sair por aí e fazer uma pequena loucura lícita ou conversar com pessoas de que gostem, até com desconhecidos. De preferência, crianças ou pessoas de mais idade, que já tenham ultrapassado os cinquenta. Humanos na faixa dos cinquenta em diante, já passaram por muitas experiências e sempre tem muito a nos ensinar, sobre como viver e sobreviver neste mundo. Quanto as crianças, nem se fala, recém estão começando e por não ter conciência de tanta realidade/irreal e por ainda deter o inestimável poder humano de "brincar", sempre terão muito a nos ensinar e despertar em nós esse poder que com a idade vamos perdendo. O poder infinito de imaginar e criar.
Toda essa conversa foi pra dizer que de vez em quando meu blog pára, tudo por culpa minha, por estar com a cabeça noutro lugra ou em lugar nenhum.

Grande e infinito abraço a todos que tem interesse e paciencia de visitar este espaço!

Carpe diem.

13 de out de 2009

Penápolis: O Mundo Segundo as Galinhas

by Máucio

Que eu me lembre, depois de ser gestada na mente criativa do Máucio, PENÁPOLIS, com todo seu universo de personagens, “descascou” nas páginas da revista Garganta do Diabo, publicada por muitos anos pelo Grupo de Risco, integrado pelos “quatro cavaleiros do apocalápis”: Elias, Máucio, Orlando Fonseca e este que aqui digita.
Já naquela época, eu gostava da idéia e dos cartuns que o Máucio fazia, utilizando esses personagens galináceos super engraçados e sempre com “piadas” coerentes e oportunas. Achava um desperdício ver esse trabalho interrompido.
Agora, quando soube que o motivo porque que o Máucio, após sumir por vários dias, sem dar as caras por aí, desaparecendo até mesmo do MSN, foi por causa que ele estava cuidando da produção de uma nova “ninhada” de excelentes cartuns com os personagens de PENÁPOLIS, aí sim, fiquei muito faceiro e mais ainda quando tive a honra de ser convidado para escrever algo sobre esse trabalho.
PENÁPOLIS confirma Máucio como exímio cartunista e garante a continuidade de um trabalho criado nos bons tempos da “Garganta” (ou “do” Garganta, como costumavam se referir alguns de nossos leitores ou colaboradores). De certa forma, mostra a permanência da Garganta do Diabo, que não só contribuiu para a criação de tantos outros trabalhos, como oportunizou o surgimento de vários humoristas do traço e da escrita durante mais de duas décadas, além de garantir espaço editorial para humoristas já consagrados.
Com PENÁPOLIS, Máucio sai da “casca” e nos oferece uma coleção de cartuns de altíssimo nível, apropriados para curtir momentos de bom humor, distração e reflexão.
Vale à “pena” ler e se divertir com PENÁPOLIS. Parabéns meu amigo, cartunista Máucio.

Tele Penápolis

Penápolis

6 de out de 2009

Vernissage de Sandra Knackfuss























Dia 08/10 - 20:00 h / Sala Iberê Camargo / Santa Maria - RS

sobrevivência planetária

"A moderna sociedade industrial é uma religião fanática. Estamos derrubando, envenenando e destruindo todos os sistemas vivos do planeta. Estamos assumindo dívidas que nossos filhos não poderão pagar... Agimos como se fôssemos a última geração no planeta. Sem uma mudança radical no coração, na mente, na visão, a Terra se extinguirá como Vênus, calcinada e morta."

José Antonio Lutzenberger, citado no Sunday Times, An East-West Dialogue (Boston: Wisdom, 1991), 55. Citado também por Sogyal Rimpoche em O Livro Tibetano do Viver e do Morrer, Ed. Talento em co-edição com edit. Palas Athena, 10ª edição, agosto de 2007.

26 de ago de 2009

Santa Maria desconhecida




Vista do Morro das Antenas, em foto de meu amigo Rafael Egidio.

25 de ago de 2009

Ilustração para livro de fábula





Bico de pena sobre papel
Canetas Staedtler pigment liner 0.3 e 0.6

24 de ago de 2009

Eu pelo Christian Guterres




Pois o Christian, além de violeiro dos bons, também é desenhista!

15 de ago de 2009

13 de ago de 2009

ironia





Do álbum FANTASTIC, extraído do Orkut do RAFA

12 de ago de 2009