Xiru Lautério "O PERSONAGEM MAIS BAGUAL DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS BRASILEIRAS"

11 de nov de 2011

O Xirú nas diversas visões de seus leitores I

Num destes dias quentes que andou fazendo, em plena hora da séstia, me bateu por aqui, espavorido, o Camarguinho, conhecido artista com destaque na música nativista e na poesia.
Pois o bagual trouxe um manuscrito de suA própria idéia e punho, donde redigiu um depoimento pro Xiru Lautério, que agora publico para que todos possam ler:

José Alves Camargo o CAMARGUINHO



Depoimento de José Camargo ou Joseph Von Kmargo – Phillosopho, sobre Xiru Lautério e seu Criador.


Xiru Lautério não saiu de nenhum hospício de Tupân-Kiretãn ou Ciretãn. (Consultei nos autos, Cronogrammas, Diagrammas das Casas de Saúdes Loccais).
Originou-se, é verdade, de um tronco de um velho Umbu dos altos da Coxilha Verde (divisa entre São Sepé e Catuçaba, RS).
Encarnado na alma do outro xiru – Tio Lautério – rememorado pelo grande poetha Ramiro Barcellos no “Antõnio Chimango” (idem-ibiden)  (o grifo é nosso...)
Alma do Rio Uruguay ou “Rio dos Caracóis” marcado de guascassos de Minuano, veio ninguém sabe como e nem quando... Parou em São Martinho da Serra. Trabalhou de posteiro para o bisavô de “seu Byrata” pialando de toda a crina, laçando de todo lombo! Não casou-se nem teve filhos. Num destes desertos do Alegrete o desenhista o encontrou. Prosiando daqui e dali, o artista teve num relâmpago, a idéia de criar o Personagem. Aí nasceu o Xiru Lautério que temos “em mãos”, numa relíquia para ficar na histórias dos quadrinhos gaúchos e mundiais e na memória popular!
Aquele “X” da marca em brasa quer dizer X dos mistérios astrais, siderais, estampa de guapo! Vai, vai ganhar o mundo, Xiru!
Seu cavalo poderia chamar-se “Pégaso” ou “Silver” ou... aquele que foi nomeado cônsul...
Este Lautério enfim é parte de mim, de você. Os dinossauros não são bichos, nem Paleolíticos, nem Arqueológicos. São Neo-modernos!
Falando mediúnica-mente com o Dr. Barbosa Lessa ele me confirmou o afirmado. Verdade!
Já o Byrata, vem dos João Silva, donatário de campos, águas e sesmarias a perder de vista do Rio Nilo ao Vacacay - Mirim!
Já a carne do dinossauro só é comestível a do herbívoro, a do carnívoro é muito dura! Cuidado que o IBAMA te pega! Boa leitura!


Pesquisas:

- “Os Dinossauros na Idade da Pedra” by Fred Flinstonne, 1954, Ed. Vozes do Além-Mar.
- “A Origem dos Dinossauros até Nossos Dias”. Barney – 1951, Quaray-Mirim, Ed. Pampas.
- “João da Silva” – Os Caudilhos Riograndenses”, de Ainatt Seppol, Santa Maria da Bocca do Montte, 1961, Ed. Gargantta do Diabbo.

José Camargo
- Poetha
- Escrithor
- Músicco
- Licenciado em Phillosophia pela Universidade Federal, SM.

Um comentário:

Camarguinho disse...

grato Byrata!